.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

Cavaco: "Reprovável repercutir custos da crise nos desfavorecidos"

O Presidente da República defendeu o aproveitamento do momento de crise como "um ponto de viragem", considerando que seria politicamente perigoso e eticamente reprovável repercutir os custos da situação económica sobre os mais desfavorecidos.

"É preciso ter coragem de, em vários domínios, começar de novo", defendeu o Chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, numa intervenção na abertura do IV Congresso da Associação Cristã de Empresários e Gestores, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa.

Recordando que "a ausência de valores nos mercados, na política e nas instituições financeiras terá sido uma das razões de fundo explicativas" da crise, Cavaco Silva considerou, por isso, que "a repartição dos custos da actual situação económica deve colocar em primeiro plano a dimensão ética".

"Só assim estaremos a responsabilizar o passado e a salvaguardar o futuro", sublinhou, insistindo que os valores de justiça, de equidade, de responsabilidade social e de coesão "devem estar bem presentes nas soluções de natureza financeira ou económica que venham a ser adoptadas".

"Seria um erro muito grave, verdadeiramente intolerável, que, na ânsia de obter estatísticas económicas mais favoráveis e ocultar a realidade, se optasse por estratégias de combate à crise que ajudassem a perpetuar os desequilíbrios sociais já existentes ou que hipotecassem as possibilidades de desenvolvimento futuro e os direitos das gerações mais jovens", salientou, reconhecendo que existe esse "risco efectivo".

Porque, continuou, muitos dos agentes que tiveram um papel activo na crise financeira continuam a ser capazes de "condicionar as políticas públicas, quer pela sua dimensão económica quer pela sua proximidade ao poder político".

Importa pois, ponderar as decisões, para não abrir espaço ao desperdício de recursos públicos e impedir a concentração desses mesmos recursos nas mãos daqueles que já detêm maior influência junto dos decisores, preconizou Cavaco Silva.

"É crucial, para o equilíbrio das relações sociais e para o futuro do sistema de economia de mercado, evitar que isto aconteça", enfatizou.

O Presidente da República recusou, contudo, que a obrigação de acautelar os princípios de justiça, equidade e coesão social recai apenas sobre os decisores políticos.

"É nas empresas e no diálogo entre elas e dentro delas que começa esta responsabilidade", afirmou Cavaco Silva, perante uma plateia de gestores e empresários.

A desigualdade de rendimento e direitos e os "ganhos despropositados" auferidos por altos dirigentes de empresas mereceu igualmente uma nota especial de Cavaco Silva, que classificou esta situação como "insustentável", considerando urgente modificá-la.

"Seria política e socialmente perigoso e eticamente condenável que a crise fosse aproveitada para acentuar esta fragilidade, repercutindo os custos da actual situação económica sobre os mais desprotegidos", frisou.

Por isso, referiu, o momento deve ser assumido como "um ponto de viragem".

"Mudaram a percepção e o juízo que os cidadãos fazem daqueles que comandam a política, a economia e a finança. Sem uma liderança clara na projecção e defesa de um sistema de valores, muito dificilmente será recuperada a confiança necessária para vencer a crise", disse, preconizando o reajustamento urgente das prioridades e a correcção das injustiças e dos erros que "a crise desmascarou".

"É urgente colocar no topo da agenda, ao lado da liberdade, a responsabilidade, a solidariedade e a coesão sociais, e compreender a importância que a verdade, a transparência e os princípios éticos têm no bom funcionamento de uma economia e no desenvolvimento de uma sociedade", sublinhou.

publicado por Ricardo Vieira às 21:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds