.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

8150 acidentes e 65 mortos em Agosto

Quando é que os portugueses aprendem a andar nas estradas portuguesas devagar e com cautela, que raio será que não compreendem que assim isto não vai lá!

Talvez seria necessário fazer campanhas chocantes para que todos pudessem ver o que custa a morte e o horror de ver um acidente grave com mortos ou mesmo com aqueles que ficam com problemas para a vida? Será preciso isso? Não assusta já os números de mortes?

Incrível...Nunca aprendem!

A GNR registou, no âmbito da Operação Verão Seguro, um total de 8150 acidentes de viação entre 1 de Agosto e as 24 horas de domingo, mais 224 do que em igual período do ano passado.

Segundo os dados recolhidos pela GNR, daqueles acidentes resultaram 65 mortos, menos nove do que no mesmo período de 2008.

Foram ainda contabilizados 205 feridos graves - mais 12 do que em igual período de 2008 - e 2672 feridos ligeiros, mais 119 do que em igual período do ano passado.

Os dados da GNR referentes à quase totalidade do mês de Agosto inserem-se na Operação Verão Seguro, que se iniciou a 01 de Julho e termina a 15 de Setembro.

 

publicado por Ricardo Vieira às 21:52
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Agosto de 2009

A Valorização Ambiental em Portugal e a Política Ambiental Comunitária

 

O Percurso para um desenvolvimento sustentável: Da ONU à EU e a Portugal.
Desenvolvimento Sustentável, segundo a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD) da Organização das Nações Unidas, é um conjunto de processos e atitudes que atende às necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de que as gerações futuras satisfaçam as suas próprias necessidades.
A ideia deriva inicialmente do Relatório elaborado pelo MIT para o chamado Clube de Roma, fundado por Aurelio Peccei, intitulado “Os Limites do Crescimento” e, posteriormente, do conceito de ecodesenvolvimento, proposto em 1970 por Maurice Strong e Ignacy Sachs, durante a Primeira Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Estocolmo, 1972), a qual deu origem ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA.
Na década de 60 surgem as primeiras comunidades sustentáveis, ecovilas, como por exemplo as cidades de Genebra e Berna na Suíça que ocupam os tops mundiais das melhores cidades para se viver que até hoje são exemplos plenos de como aliar o desenvolvimento sustentável ao desenvolvimento humano integral, dentro dos novos paradigmas ecológicos e sociais.
Em 1987, a CMMAD, presidida pela Primeira-Ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, adoptou o conceito de Desenvolvimento Sustentável em seu relatório Our Common Future (Nosso futuro comum), também conhecido como Relatório Brundtland.
O conceito foi definitivamente incorporado como um princípio, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Cúpula da Terra de 1992 - Eco-92, no Rio de Janeiro. O Desenvolvimento Sustentável busca o equilíbrio entre protecção ambiental e desenvolvimento económico e serviu como base para a formulação da Agenda 21, com a qual mais de 170 países se comprometeram, por ocasião da Conferência. Trata-se de um abrangente conjunto de metas para a criação de um mundo, enfim, equilibrado.
A Declaração de Política de 2002 da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada em Joanesburgo, afirma que o Desenvolvimento Sustentável é construído sobre “três pilares interdependentes e mutuamente sustentadores”, desenvolvimento económico, desenvolvimento social e protecção ambiental. Esse paradigma reconhece a complexidade e o inter-relacionamento de questões críticas como pobreza, desperdício, degradação ambiental, decadência urbana, crescimento populacional, igualdade de géneros, saúde, conflito e violência aos direitos humanos.
Em suma o desenvolvimento sustentável tem como principais objectivos:
·         A erradicação da pobreza, através da promoção do desenvolvimento social, da saúde e da utilização e gestão racional dos recursos naturais;
·         A promoção de padrões de produção e consumo sustentáveis, onde se faça uma separação entre o crescimento económico e as pressões sobre os ecossistemas;
·         A conservação e gestão sustentável dos recursos;
·         O reforço da boa governação a todos os níveis, incluindo a participação publica e os meios de implementação, como a inovação e a cooperação tecnológica;
 
Deste advém o conceito de sustentabilidade, este é um conceito sistemático, relacionado com a continuidade dos aspectos económicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.
Propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e actividades humanas, de tal forma que a sociedade, os seus membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades e expressar o seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planeando e agindo de forma a atingir pro-eficiência na manutenção indefinida desses ideais.
A sustentabilidade abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança local até o planeta inteiro.
Para um empreendimento humano ser sustentável, tem de ter em vista 4 requisitos básicos. Esse empreendimento tem de ser:
  • Ecologicamente correcto;
  • Economicamente viável;
  • Socialmente justo; e
  • Culturalmente aceito.
Um exemplo real de comunidades humanas que praticam a sustentabilidade em todos níveis é as ecovilas.
 “O nosso maior desafio, neste novo século, pegar numa ideia que parece abstracta – desenvolvimento sustentável - e torná-la numa realidade para todas as pessoas.” [1]
Na Declaração do Milénio, emanada pelas Nações Unidas em Setembro de 2000, voltou afirmar a responsabilidade colectiva de apoiar os princípios da dignidade humana, igualdade e equidade a nível global, estabelecendo, para isso, metas concretas “Millenium development goals” que pretendem contribuir para inverter a tendência para a degradação do ambiente e para a insustentabilidade das condições de vida em grande parte do Planeta.[2]
 
            O desenvolvimento sustentável é também um objectivo fundamental da União Europeia presente nos Tratados da União Europeia. Se os objectivos da União Europeia é sermos uma Comunidade a uma só velocidade é necessariamente obrigatório implementar objectivos para que possamos chegar ao patamar de alguns países modelo na questão ambiental, então no Tratado de Amesterdão no artigo 177º que visa o desenvolvimento sustentável. Este fixa três objectivos para os Estados-Membros que assim constituem uma integração do Ambiente na política de cooperação da União Europeia:   
·         O desenvolvimento económico e social sustentável;
·         A luta contra a pobreza; e
·         A inserção dos países em desenvolvimento na economia mundial.
Resumidamente estes são os objectivos estipulados pela ONU, pois o desenvolvimento sustentável é a nível Global e devemos sim construir, defender, fazer a nossa politica individual, mas sempre a olhar para os nossos vizinhos que não são só os Espanhóis mas sim todo o Planeta que nos rodeia.


[1] Kofi Annan, ex-Secretário-Geral da ONU
[2] Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável 
publicado por Ricardo Vieira às 21:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009

Morreu o Kennedy que mais fez a diferença

Ted Kennedy, último sobrevivente da era de ouro do clã Kennedy, morreu ontem à noite, aos 77 anos, depois de um longa batalha contra um cancro no cérebro. O senador do Massachussets é recordado como um dos políticos mais influentes dos últimos 50 anos nos EUA.

Edward ocupou a cadeira do Senado deixada vaga pelo seu irmão John Kennedy quando este correu para a Presidência, em 1962. Desde então, foi reeleito sete vezes e fez da educação, da saúde e da luta pela paz batalhas pessoais.

O assassínio do presidente John Kennedy, em 1963, e do irmão Robert, em 1968, durante a corrida para a Casa Branca, fizeram de Edward o herdeiro da família.

Há quarenta anos, na América todos acreditavam que seria o próximo Kennedy na Casa Branca. Mas em 1969, o reputação de Edward ficou manchada pelo escândalo de Chappaquiddick, quando teve um acidente de carro numa ponte. Ele nadou para a margem e sobreviveu, mas a mulher que o acompanhava não.

Dez anos depois, a memória desse incidente condenou ao fracasso a sua candidatura presidencial. Mas esse falhanço fez dele um dos mais importantes senadores dos EUA.

Em 2006, a revista TIME  elegeu-o como um dos 10 Melhores Senadores considerando que ele ajudou a passar “legislação que afectou virtualmente vida de todos os homens, mulheres e crianças.” Ontem, a mesma publicação escrevia no título do seu obituário que Teddy foi “o Kennedy que mais fez diferença”.

Ted, idealista, ficou conhecido como o “leão liberal” – o que corresponde à esquerda nos EUA. Hoje o líder da maioria democrata na câmara alta, Harry Reid, disse que “o poderoso rugido do leão calou-se, mas o seu sonho nunca vai morrer”.

O Presidente Barack Obama disse em comunicado: “Um importante capítulo da nossa história chegou ao fim. O nosso país perdeu um grande líder, que pegou no testemunho dos seus irmãos e tornou-se no maior senador dos EUA de todos os tempos”.

publicado por Ricardo Vieira às 20:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Agosto de 2009

Saída da recessão confirmada na maior economia europeia

A economia alemã viu hoje confirmado o crescimento de 0,3 por cento do seu Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre do ano, em comparação com o trimestre anterior, anunciou o Gabinete de Estatística alemão.

O gabinete confirma assim o seu primeiro diagnóstico, com o crescimento de 0,3 por cento a pôr um ponto final a um ano de recessão da maior economia europeia.

O resultado positivo da economia alemã foi motivado pelo aumento do consumo público e privado, juntamente com o volume de investimentos no sector da construção e pelo superavite (saldo positivo) exportador.

No entanto, apesar do crescimento verificado entre Abril e Junho, a situação da economia alemã é hoje muito pior que há um ano atrás, tendo o seu Produto Interno Bruto sofrido uma contracção de 7,1 por cento, quando comparado com período homologo de 2008.

É mais um incentivo à economia europeia e à confiança dos consumidores. Veremos o que acontece com os outros países da zona Euro que ainda estão em recessão.

publicado por Ricardo Vieira às 22:59
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Trichet: "Caminho difícil" mesmo com sinais de recuperação

O presidente do Banco Central Europeu, Jean Claude Trichet, disse este fim-de-semana que já existem "sinais que confirmam que a economia real está a sair do período de queda livre", mas alertou que o caminho é ainda difícil.

Os bons indicadores "não querem dizer que não temos um caminho difícil pela frente", sublinhou o presidente do Banco Central Europeu, no simpósio que reuniu, em Jackson Hole, nos Estados Unidos, os banqueiros centrais mundiais.
Apesar de a economia mundial se ter contraído apenas 0,1 por cento no segundo trimestre, está ainda bastante ligada aos apoios estatais que os Governos têm dado para reanimar a economia e enfrenta também a maior taxa de desemprego na década e o mais baixo nível de empréstimos bancários desde que há registo.
"Mesmo com os bons indicadores que temos visto, há quem, dentro do BCE, questione a sustentabilidade da recuperação", disse Gilles Moec, um antigo responsável do Banco da França que é agora economista no Deutsche Bank, em Londres. "O BCE não está ainda preparado para acabar com as medidas excepcionais" que tomou desde o aparecimento da crise económica mundial, considerou.
Os bons indicadores não bastam para mudar a política monetária, confirmou o governador do Banco da Finlândia, Erkki Liikanen: "Não há razão para reavaliar a nossa política monetária", disse o governador finlandês, apoiado pelo congénere da Áustria. "Não há necessidade de uma reacção imediata", sublinhou Ewald Nowotny.
Quando for necessário, o BCE irá implementar uma "estratégia de saída [da crise] credível", e irá "tomar medidas rápidas para que a liquidez seja rapidamente absorvida logo que o ambiente macroeconómico melhore", concluiu Trichet.
Melhorias aparecem, novas industrias também, nova ordem mundial aparece e dita novas leis para o comércio Internacional, Portugal como qualquer outro país da União Europeia está a melhorar muito ligeiramente a sua economia, segundo as estatísticas Portugal deixou de cair no PIB abrandando o que acontecia com essa queda.
No entanto para mim só sairemos de uma crise quando os números do desemprego diminuir e a taxa de empregabilidade começar a aumentar e só nessa altura podemos falar de retoma economia e sim estaremos no dito crescimento económico tão desejado pelos cidadãos que estão fartos de apertar o cinto as suas contas.
Mas também digo que ainda iremos atravessar tempos difíceis nas nossas vidas, nada está perdido apenas temos de agir com cautela.
 
 
                                      Ricardo Vieira
 
publicado por Ricardo Vieira às 23:22
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Agosto de 2009

Quatro incêndios ainda activos no país

 

 

 

Dois fogos que deflagraram depois das 21 horas estão a mobilizar cerca de 100 bombeiros, no distrito de Castelo Branco. Há ainda mais dois incêndios activos no país.

O distrito de Castelo Branco era, às 22.30 horas, o mais afectado pelos incêndios, com dois fogos activos. Os incêndios foram detectados, ambos, já depois das 21 horas. O primeiro a deflagrar, cerca das 21.15,  mobiliza 44 bombeiros e 11 veículos, no concelho da Covilhã. O segundo, o concelho do Fundão, foi detectado cerca das 21.45 horas, concentra 49 bombeiros e uma dezena de viaturas.

Estão ainda activos fogos em Vila real e em Bragança. O distrito bragantino, o mais afectado pelos incêndios no dia de hoje, tinha, às 22.30 horas, apenas um incêndio activo. Detectado cerca das 14 horas, mobiliza mais de 130 bombeiros e uma dezena de viaturas, no concelho de Bragança. Na mesma área concelhia, está já em rescaldo o incêndio que deflagrou cerca das 18.30 horas, em Petisqueira. Foi combatido por uma dúzia de bombeiros apoiados em duas viaturas.

Foi também circunscrito o incêndio que lavrava no concelho de Manteigas, na Guarda, desde as 15 horas. No total, mobilizou 95 bombeiros e 22 viaturas.

Ainda por circunscrever, o incêndio em carvalho, concelho de Peso da Régua, mantém o distrito de Vila Real no mapa dos fogos. Meia centena de bombeiros e uma dúzia de veículos estão a lutar contra as chamas.

Infelizmente ainda temos muitos que pensam que ver o nosso melhor património (a floresta), a arder "é bonito dá saúde e faz crescer", estão enganados, infelizmente o resultado é completamente o oposto.

Defendo que devíamos respeitar mais a floresta e preserva-la assim como ela está, isto é, limpa, com estradas de acesso rápido, tanques com agua e torres de vigilância.

Seria o necessário para proteger as nossas florestas.

No entanto, também depende os incendiários que provocam os incêndios, por vezes, por mera diversão ou mesmo por maldade.

Já agora lembro que em caso de incêndio contacte 112.

 

                                                                                  Ricardo Vieira

 

publicado por Ricardo Vieira às 23:48
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Agosto de 2009

De volta...

A equipa do "Critica na Rede" inicia hoje mais um ano de trabalho a "criticar" a sociedade e a levar ais nossos emigrantes as noticias do nosso país, Portugal.

como tiveram oportunidade de ler nos nossos posts, viram que anunciamos mais noticias do que propriamente criticas à sociedade, no entanto, neste ano que se inicia iremos fazer ou tentar fazer o oposto do ano que cessou.

Mais uma vez agradecemos a todos os nossos visitantes/leitores a vossa visita e peço-vos que deixem os vossos comentários, para tentar-mos melhorar os nossos posts.

 

                                                                        A equipa

publicado por Ricardo Vieira às 20:53
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds