.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Orey Antunes compra BPP por um euro

A Sociedade Comercial Orey Antunes informou hoje a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários ter adquirido a totalidade do Banco Privado Português (BPP) e de duas empresas holding do Grupo Privado Português pelo preço simbólico de um euro.

"No seguimento do comunicado divulgado no dia 4 de Julho de 2009, a Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. (SCOA) vem informar que acordou hoje a aquisição, pela sua participada Orey Financial, Instituição Financeira de Crédito, S.A. (Orey Financial), da totalidade do capital do Banco Privado Português, S.A. (BPP) e de duas empresas Holding do Grupo Privado Holding (Gest Advisors, Ltd. e Pcapital, SGPS, S.A.), pelo preço total de um Euro", refere a nota enviada à CMVM.

O acordo alcançado encontra-se "sujeito à verificação de determinadas condições, em particular da autorização do Banco de Portugal", adverte o comunicado.

Tendo em atenção a actual situação financeira do BPP, a Orey Financial acordou que "seja de imediato submetido à aprovação das entidades públicas e privadas relevantes, por parte da administração do BPP, um plano de recapitalização para a recuperação e saneamento" daquela instituição bancária.

Simultaneamente, a Orey Financial apresentará um programa de reestruturação do produto "Retorno Absoluto - Investimento Indirecto com Garantia" do BPP que visa assegurar aos clientes que subscreveram este produto uma solução de recuperação a médio prazo do capital investido, refere a nota à CMVM.

A aquisição do BPP e das duas sociedades pela Orey Financial enquadra-se na estratégia já anunciada de "centrar a actividade do Grupo Orey na área financeira, desenvolvendo as actividades não financeiras através de um fundo de Private Equity, denominado Orey Capital Partners", conclui o comunicado.

publicado por Ricardo Vieira às 11:38
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Julho de 2009

Durão Barroso confirmado para novo mandato

Os líderes da União Europeia chegaram a acordo para a nomeação de Durão Barroso para um novo mandato de cinco anos à frente da Comissão Europeia.

"Estão finalizados os procedimentos escritos necessários para a nomeação oficial", disse um responsável da União Europeia, citado pela Agência Reuters. Fromalizada a escolha, os 27 deverão confirmar a nomeação a 15 de Julho, quando o Parlamento se reunir pela primeira vez em Estrasburgo.

Os chefes de Estado e de Governo oficializaram, hoje, quinta-feira,  o seu apoio à recondução por mais cinco anos de José Manuel Durão Barroso como presidente da Comissão Europeia, anunciou a presidência sueca da União Europeia.

"O Conselho decide nomear José Manuel Durão Barroso como a pessoa que tenciona designar como presidente da Comissão para 2009-2014", lê-se num comunicado de imprensa divulgado em Bruxelas.

Os líderes dos 27 chegaram a um acordo, a 19 de Junho último, em Bruxelas, por unanimidade, para reconduzir José Manuel Durão Barroso no lugar de presidente da Comissão Europeia por mais cinco anos, mas adiaram a nomeação formal para depois de consultas com as famílias políticas do "novo" Parlamento Europeu.

A oficialização foi agora feita através de um procedimento simplificado "escrito" sem necessidade de os líderes se voltarem a reunir.

As capitais da UE tinham até quinta-feira de manhã para assinalar se desaprovavam a candidatura de Durão Barroso, o que não aconteceu tendo a sua nomeação sido feita automaticamente depois dessa data limite.

Cabe agora ao Parlamento Europeu aprovar o nome proposto pelos chefes de Estado e de Governo europeus, o que só acontecerá depois do Verão e não na primeira sessão plenária da assembleia, na próxima semana em Estrasburgo, como se previa inicialmente.

A notícia surge dias depois de o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, ter declardo que não haveria qualquer decisão sobre a reeleição do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, no mês de Julho.

"Esperemos que uma decisão seja tomada rapidamente mais tarde", acrescentou Reinfeldt, cujo país ocupa desde do início do mês a presidência semestral da UE.

publicado por Ricardo Vieira às 22:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Todas as crianças com patologia crónica serão vacinadas

Ainda estão a ser definidos os grupos prioritários da população que deverão receber primeiro as vacinas para a Gripe A.

A ministra da Saúde anunciou que todas as crianças com patologia crónica receberão a vacina contra o vírus da gripe A (H1N1), estando a ser estudados os riscos e benefícios da sua administração a outras crianças.

Ainda estão a ser definidos os grupos prioritários da população que deverão receber primeiro as vacinas, mas Ana Jorge lembrou que "as crianças são sempre um grupo populacional mais afecto a tudo o que são infecções respiratórias virais".

Durante o Inverno, as crianças mais pequenas têm muitas infecções, febre, tosse e constipações. "A criança, porque ainda está a desenvolver o seu sistema imunitário, tem mais probabilidades de ter infecções" do que o resto da população, explicou a ministra, à margem da cerimónia comemorativa dos 30 anos do Serviço Nacional de Saúde, que está a decorrer em Lisboa.

"Todas as crianças que têm patologia crónica terão indicação" para tomar a vacina, salientou a ministra, adiantando que está a ser avaliada a possibilidade de abranger também outras crianças.

Mas, sublinhou Ana Jorge, aguarda-se "mais conhecimento sobre os efeitos da vacina e os riscos/benefícios de dar mais vacinas às crianças".

A ministra acrescentou que a Organização Mundial de Saúde está a estudar esta situação para dar indicações, que serão depois implementadas em Portugal.

Portugal já decidiu fazer a pré-reserva de vacinas contra o vírus da gripe A (H1N1) para 30 por cento da população e está a negociar com diferentes laboratórios farmacêuticos.

"Existe já a garantia de que teremos a quantidade necessária, assim que a vacina for produzida", o que deverá acontecer em finais de Novembro, garantiu terça-feira Ana Jorge.

Portugal tem 57 casos confirmados de gripe A (H1N1), muitos dos quais se referem a crianças e jovens.

Ana Jorge reiterou que o aumento de casos - 57 no total, desde Maio - "já era previsível pelas autoridades de saúde pública" e renovou apelos à calma, lembrando que, "na maioria dos casos, a doença já foi tratada e as pessoas retomaram as suas vidas".

publicado por Ricardo Vieira às 13:16
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Menos 5,5% de mortos nas estradas

Número de mortos em acidentes rodoviários diminuiu 5,5 por cento no primeiro semestre deste ano face a igual período de 2008.

No seminário "Conhecer a estratégia nacional de segurança rodoviária", o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, adiantou que o número de feridos graves diminuiu 2,5 por cento nos primeiros seis meses do ano relativamente ao mesmo semestre de 2008.

"A tendência de diminuição do número de mortes mantém-se este ano", disse Rui Pereira para salientar que entre 2001 e 2008 Portugal conseguiu reduzir em 47 por cento o número de vítimas nas estradas, estando "prestes a alcançar o objectivo traçado pela União Europeia até 2010", que é baixar para metade o número de mortos.

Em 2008 morreram 776 pessoas em acidentes nas estradas e 2606 ficaram feridas com gravidade, além do registo de 41.327 feridos ligeiros.

Segundo Rui Pereira, o melhoramento das vias rodoviárias e da segurança dos automóveis e o aumento da fiscalização por parte das forças de segurança foram alguns dos factores que contribuíram para o "sucesso" português.

Acima da média europeia

Apesar de ter conseguido reduzir quase para metade as mortes nas estradas, Portugal estava, em 2008, seis por cento acima da média europeia, disse o presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, Paulo Marques, salientando que é necessário "reduzir mais a taxa da sinistralidade".

Para Paulo Marques, a Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária até 2015, aprovada em Maio em Conselho de Ministros, é "o primeiro passo para aproximar Portugal dos melhores países da União Europeia".

O ministro da Administração Interna frisou que a Estratégia vai "proporcionar melhores resultados e contribuir para reduzir o número de mortos, feridos e acidentes", uma vez que assenta em grupos de risco, como peões e condutores de veículos de duas rodas, e em factores de risco, designadamente a condução sob excesso de álcool e velocidade.

Instalação de uma rede nacional de radares, aumento do regime sancionatório e introdução de novos sinais, como o de proibição de conduzir a mais de 30 quilómetros/hora em algumas ruas das cidades, são algumas medidas que vão ser tomadas até 2015.

Também o alargamento da aprendizagem sobre segurança rodoviária às escolas, aumentar a fiscalização ao álcool, droga e velocidade, melhorar a assistência à vítima, fazer uma gestão dos locais com elevada concentração de acidentes, divulgar os indicadores de riscos das estradas e dos túneis rodoviários são outros objectivos da Estratégia.

 

publicado por Ricardo Vieira às 20:43
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Julho de 2009

TAP perdeu 105 mil passageiros em Maio

TAP perdeu 105 mil passageiros em Maio face ao mesmo mês de 2008, uma tendência negativa que se mantém desde Janeiro.

Dados da ANA - Aeroportos de Portugal, avançados pela Agência Lusa, indicam que no mês de Maio a TAP transportou 750.772 passageiros, menos 104.840 passageiros (-12,3 por cento) que no mesmo mês do ano passado.

No acumulado de Janeiro a Maio, indicam os mesmos dados, a companhia aérea nacional transportou 3,51 milhões de passageiros, menos 5,3 por cento que no mesmo período do ano passado.

No entanto, são números que permitem à TAP manter a liderança do mercado, com uma quota de 41 por cento.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da TAP deu números ligeiramente diferentes dos da ANA.

"A companhia transportou, na sua rede geral, um total de 3,18 milhões de passageiros", o que representa "uma quebra de 5,2 por cento face ao mesmo período do ano anterior".

Para a TAP, a culpa recai em geral sobre "a conjuntura económica negativa que se tem verificado" e em particular em algumas rotas. "As reduções de procura e oferta têm sido mais sensíveis nos sectores da Europa e Atlântico Norte, que são também aqueles onde a recessão tem sido mais forte", explicou a mesma fonte.

O porta-voz da Associação Portuguesa de Agências de Viagem, Paulo Brehm, também aponta sobretudo a crise económica como o principal factor para as quebras no tráfego de passageiros.

"Portugal está afectado em termos de "incoming", chegada de turistas, mas também de 'outgoing', porque também há uma quebra no número de portugueses que viajam para fora em férias e também em viagens de negócios", adiantou.

Por outro lado, em Abril e inícios de Maio as notícias do surto de Gripe A - e consequente cancelamento de voos para alguns destinos - afectaram o sector. Paulo Brehm considera, no entanto, difícil determinar em que medida a doença arrastou os números para baixo.

Analisando as 10 companhias aéreas com maior quota de mercado, as low-cost easyJet e Ryanair estão a crescer nos aeroportos nacionais, ocupando a segunda e terceira posições, respectivamente, da lista fornecida pela ANA.

A low-cost inglesa easyJet cresceu 8,8 por cento neste período. A companhia irlandesa Ryanair subiu 16 por cento nos cinco primeiros meses.

publicado por Ricardo Vieira às 23:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Julho de 2009

BPN recorria "sistematicamente a operações ilícitas e ilegais"

O Bloco de Esquerda considera que a comissão de inquérito à nacionalização do BPN conseguiu apurar que a actividade do grupo SLN/BPN recorria a expedientes como branqueamento de capitais e concessão de créditos sem garantias.

De acordo com o documento que o Bloco de Esquerda (BE) enviou à deputada relatora Sónia Sanfona, para completar o relatório final da comissão de inquérito, os deputados terão conseguido apurar ainda "a concessão de créditos do grupo BPN com penhor de acções de sociedades do grupo SLN", a "prestação de informação falsa", "falsificação de assinaturas", "venda e compra de acções com contrato promessa de recompra pela SLN com mais-valias garantidas" e o "recurso reiterado a operações offshore para evasão fiscal, entre outros.

O documento, a que a agência Lusa teve acesso, pede ainda a inclusão no relatório final de todas as actas do Conselho de Administração da SLN, a lista completa das personalidades que foram convocadas a depor e não o fizeram, com indicação das razões invocadas, e a informação e documentação recusada.

O Bloco de Esquerda pretende ainda que seja explicitado no relatório o "objectivo do pedido do parecer" sobre o levantamento do sigilo profissional e que foi o PS que aprovou, contra os votos contra dos outros grupos parlamentares, que não fosse apresentado recurso para o Tribunal da Relação.

A comissão terá ainda, segundo os bloquistas, apurado que a "multiplicação e diversidade dos interesses e áreas de negócio (...) facilitou e fomentou actividades ilícitas, ilegais e fraudulentas" e pretende referir que o banco tinha nos seus quadros várias personalidades ligadas ao PSD.

Na óptica do BE, é ainda necessário "relativizar o papel colaborante do Dr. Vakil, questionando a sua alegada disposição de mudar as relações com o Banco de Portugal". De resto, os bloquistas afirmam que "Vakil desenvolve uma estratégia de meias verdades, conveniente e compatível com a posição do BdP de actuar com discrição".

Apesar de ser um dos temas mais recorrentes nas mais de 50 audições, o BE afirma ainda que não se pode aferir a titularidade do Banco Insular.

Relativamente à supervisão, os bloquistas apontam ainda a falta de "proactividade" do Banco de Portugal e a "falta de contacto entre as entidades", onde está incluída a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O documento é também crítico para com o Banco de Portugal, considerando que "as respostas enviadas pelo BdP à Procuradoria-Geral da República eram feitas no mínimo essencial" e que o supervisor "limitava-se a analisar a informação de que dispunha, não tendo tido nunca uma atitude proactiva no sentido no sentido de tentar obter mais informação".

publicado por Ricardo Vieira às 01:53
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

Mais meio milhão passa pelo Porto com a Ryanair

O Porto vai ser, a partir de Setembro, a 33.ª base da Ryanair, num investimento de cerca de 100 milhões de euros que inclui a compra de dois Boeings baseados, a criação imediata de 100 novos empregos e a abertura de quatro novas rotas.

A operação, que aumentará o tráfego de passageiros da Ryanair no aeroporto do Porto, de cerca de um milhão para 1,5 milhões anuais, dará origem a 1500 empregos, directos e indirectos, pelo que a notícia foi acolhida com agrado e, de acordo com o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, reveste-se de "extraordinário significado e importância."

Michael Cawley, CEO da Ryanair, declarou-se também extremamente optimista em relação ao "potencial de crescimento do mercado português, quer como origem, quer como destino de turistas", tanto mais que "é óptimo negociar com portugueses: são muito profissionais".

A Ryanair está, por isso, a negociar também a sua segunda base em Portugal, em Faro, esperando poder anunciar o seu arranque "no próximo ano". Michael Cawley revelou-se também expectante quanto às decisões que serão tomadas no aeroporto de Lisboa, nomeadamente "a possibilidade de ser criado um terminal low cost". Madeira e Beja possuem também aeroportos a "ponderar" pela companhia de aviação irlandesa, a primeira estrangeira a basear parte da sua actividade em Portugal.

Às 12 rotas existentes à partida em Sá Carneiro, serão adicionadas novas quatro - Basileia, Eindhoven, St Etienne e Tours (ver info)- e ampliada a frequência para Paris Beauvais, passando a duas partidas diárias. Até à meia-noite de domingo, está a decorrer a campanha de promoção destas novas rotas, com vendas de bilhetes para os novos destinos a 9 euros.

"Até agora, o Porto só podia ter bases como destino. Agora, sendo uma base, poderá ser ponto de partida para qualquer local", adiantou Michael Cawley, não descartando a hipótese de a Ryanair poder vir a operar voos domésticos em Portugal.

"Ouvi dizer que há muita gente a viajar para o Algarve de autocarro e de carro, com certeza que poderá ser interessante para nós explorar essa ligação por avião, quando tivermos mais do que dois aviões no Porto", comentou o CEO da Ryanair.

"Com o aumento da oferta agora anunciado, o aeroporto Francisco Sá Carneiro passará a contar com 45 ligações directas, evidenciando, ainda mais, o seu posicionamento de grande aeroporto do noroeste peninsular", congratulou-se a ANA, confirmando também a "fase adiantada de negociações, em relação ao aeroporto de Faro, com a mesma finalidade" de vir a tornar-se numa base da companhia aérea irlandesa.

publicado por Ricardo Vieira às 13:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

Criminosos vêem clubes como "veículos perfeitos para a lavagem de dinheiro"

A conclusão é do relatório "Lavagem de dinheiro através do sector de futebol", elaborado pelo Grupo de Acção Financeira e divulgado pela OCDE.

O relatório, divulgado pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), salienta que nas duas últimas décadas o futebol passou de um passatempo popular para indústria global e os investimentos e fluxos financeiros do sector "cresceram exponencialmente", nalguns casos com "ligações criminosas".

Com a crescente cooperação do sector financeiro no combate à lavagem de dinheiro sujo, os criminosos adaptaram-se e procuraram novos canais para lavar os resultados das suas actividades ilegais, ficando vários sectores de actividade legais em risco de serem infectados pelas suas actividades.

O documento salienta que a lavagem de dinheiro sujo através do futebol não passa apenas por investimento em clubes, mas também pelas transferências de jogadores, que por vezes envolvem "verbas astronómicas", pela indústria de apostas, designadamente online, e pelos patrocínios e publicidade.

O sector das apostas desportivas, tema não desenvolvido no relatório, deve ser objecto de especial atenção.

O FAFT-GAFI, organização inter-governamental de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, que funciona em Paris na sede da OCDE, assinala que as vulnerabilidades relacionadas com a estrutura, o financiamento e a cultura do sector tornam a indústria de futebol atractiva para os criminosos.

O relatório explica a vulnerabilidade do futebol pela facilidade de penetrar neste mercado, pela complexidade e opacidade das redes de accionistas e interdependência entre diferentes actores, pela falta de uma gestão profissional do sector, pela diversidade de estruturas legais, de clubes a sociedades anónimas, muitas vezes com gestão autónoma de estádios e outras actividades e de fundos de jogadores.

Facilita a vulnerabilidade da indústria a existência de enormes verbas envolvidas, muitas vezes com elevados fluxos em dinheiro vivo, num sector em que tradicionalmente grande parte das verbas vinha da venda de bilhetes e quotas de sócios, e pela irracionalidade de algumas verbas envolvidas.

O relatório assinala que as dificuldades financeiras de muitos clubes levam os seus responsáveis a aceitar financiamentos de proveniência duvidosa, observando que a actual crise económico-financeira pode acentuar essas dificuldades pela perda de patrocínios e receitas televisivas.

Considera ainda que a vulnerabilidade social de alguns jogadores, em particular jovens, pode facilitar negócios nebulosos.

 

publicado por Ricardo Vieira às 22:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds