.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Não há "sinais particulares" de que sejam precisos mais cortes dos juros

Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu (BCE), considera que não existem "sinais particulares" de que sejam precisos mais cortes de juros. O BCE, em conjunto com mais cinco bancos centrais, anunciou esta tarde um corte de meio ponto percentual das taxas de juro.

Em entrevista à Bloomberg, o presidente da autoridade monetária da Zona Euro afirmou que não há "sinais particulares" de que sejam precisos mais cortes dos juros. No entanto, questionado se o movimento de hoje era único Trichet respondeu: "Eu não disse isso. O que eu disse é que faremos sempre o que for necessário para estabilizar os mercados". "Estamos em alerta permanente", acrescentou.

Para Trichet a acção conjunta dos bancos centrais é "um forte sinal de confiança" e ocorre numa altura em que os riscos para a estabilidade de preços estão "aliviados".

O presidente do BCE defendeu que, actualmente, é necessário que exista uma cooperação próxima entre os bancos centrais. "Estamos unidos e preparados para agir de forma global", garantiu Trichet.

 

A crise que esta a afectar a economia mundial já começa a ter as primeiras influencias em Portugal já estam dois bancos com problemas, mas a imprensa não adianta nomes, mas o problema está onde vai parar esta crise, como podemos ver vai cair em cima de nós, ninguem garante o futuro, da economia mundial e nacional.

 

                                                                         Ricardo  Vieira

publicado por Ricardo Vieira às 19:31
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds