.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Quem nos visitou hoje?


contador gratis
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Quinta-feira, 15 de Abril de 2010

Os Custos e Beneficíos da Saída

Agora que a nova edição da Visão já saiu, aqui está o meu artigo da última semana sobre os custos e benefícios de uma eventual saída do euro:
E SE SAÍSSEMOS DO EURO?
Se a economia nacional continuar estagnada por muito mais tempo, é possível que alguns comecem a pedir o que antes parecia impensável: uma saída do euro. Porquê? Porque não será difícil para algumas vozes mais populistas somar dois mais dois e verificar que a estagnação económica nacional coincidiu com a nossa adesão à moeda única. Neste sentido, um retorno ao escudo seria visto como a receita mágica para nos fazer emergir da crise actual. Assim, e por tudo o que está em causa, vale a pena perceber quais seriam os custos e benefícios de tal decisão. Comecemos pelos benefícios.
a) adeus euro, olá desvalorizações competitivas
Se saíssemos do euro poderíamos desvalorizar a moeda nacional (o escudo) para melhorar a competitividade das nossas exportações, que ficariam mais baratas. O ganho seria artificial, pois não seria baseado em ganhos de produtividade ou numa descida dos custos de produção. Ainda assim, é provável que os exportadores beneficiassem de uma desvalorização da moeda. É claro que as desvalorizações competitivas não fariam com que a produtividade nacional aumentasse, nem garantiriam, por si só, a competitividade das exportações nacionais de menor valor acrescentado em relação às exportações da China e da Europa de Leste. Pelo contrário. Estaríamos a adiar mais uma vez a solução para a nossa baixa produtividade.
b) adeus euro, olá política monetária nacional
Se o escudo voltasse, não teríamos que nos cingir pelas políticas do Banco Central Europeu (BCE), nem pelas regras do Pacto de Estabilidade. Portugal poderia seguir uma política monetária própria e uma política fiscal menos restritiva. Isto teoricamente. Na prática, as coisas não se iriam passar bem assim, pois Portugal não deixaria de ser um país pequeno, nem a Eurolândia deixaria de ser a nossa principal área comercial. Por isso, é provável que um Banco de Portugal independente tivesse que seguir por perto os passos do BCE.
E quais seriam os custos de uma saída do euro? 
i) olá escudo, adeus juros baixos
O euro trouxe-nos juros mais baixos e maiores facilidades de financiamento. Foi exactamente a pronunciada descida dos juros e a maior oferta de crédito que fizeram com que muitos de nós se endividassem para adquirir casa própria e os mais diversos bens de consumo. Ora, este elevado endividamento da economia nacional seria exactamente uma das principais razões que nos levariam a pensar duas vezes antes de abandonarmos o euro. Se saíssemos do euro, os juros subiriam, o que provocaria dificuldades enormes às famílias e às empresas mais endividadas, bem como ao próprio Estado.
 
 
ii) adeus euro, olá rating mais baixo
Uma saída do euro iria acarretar uma descida considerável do rating português, pelo menos temporariamente. Um rating mais baixo agravaria ainda mais o custo do crédito e do financiamento da economia nacional. Mais uma vez, juros mais caros e spreads mais elevados seriam autênticos pesadelos para as famílias e empresas mais endividadas.
iii) Olá escudo, adeus irresponsabilidade financeira
Se não quiséssemos que a descida do rating português fosse vertiginosa e que o escudo não caísse nas ruas da amargura, uma saída do euro teria que ser acompanhada por medidas que aumentassem a credibilidade fiscal do Estado. Assim, se queremos abandonar o euro para podermos ter um Estado ainda mais irresponsável, é melhor que pensemos duas vezes. Se optássemos por persistir no nosso despesismo habitual, não só seriamos sujeitos a uma enorme volatilidade financeira, como também seria muito provável que o Estado português sentisse enormes dificuldades para se financiar junto dos mercados financeiros. E como um resgate da UE seria muito improvável se saíssemos do euro, o mais certo é que, mais cedo ou mais tarde, lá teríamos o FMI à nossa porta. Adeus euro, olá austeridade.
iv) olá escudo, adeus solidariedade europeia
Se saíssemos do euro, seriamos alvo de uma enorme desconfiança por parte dos nossos parceiros europeus. Menos influência política e menos tolerância aos nossos pedidos económicos (e políticos) seriam consequências previsíveis de abandonar o euro.
v) Euro forte, eficiência redobrada?
No euro, os ganhos de competitividade têm de ser alcançados através da contenção salarial ou através de melhorias da produtividade. Como ninguém quer que os salários permaneçam demasiado baixos por muito tempo, só nos resta melhorar a eficiência das empresas para diminuir custos. Ou seja, a longo prazo, permanecer no euro será um estímulo à eficiência e a uma maior produtividade. Uma saída do euro poderia comprometer estes ganhos de eficiência de longo prazo.
Em que ficamos?
Se subtrairmos os benefícios e os custos de uma eventual saída do euro, facilmente concluiremos que as vantagens seriam bem menores do que os custos de sair. Sair do euro pode ser um erro que poderemos pagar muito caro. Quer isto dizer que Portugal (ou outro país) nunca sairá do euro? Não necessariamente. Por um lado, é sempre possível sermos forçados a sair. Se a situação da Grécia se agravar e a UE não ajudar, é possível que os gregos saiam do euro, o que poderia ter um efeito de contágio a países como Portugal. Por outro lado, se a estagnação económica se prolongar, é igualmente possível que nós próprios optemos por sair do euro. Um governo mais populista poderá sempre pensar que tem mais a ganhar com uma saída do euro a curto prazo, mesmo que tal decisão seja nefasta para a economia a longo prazo.
Sair do euro resolveria os problemas da economia nacional? Claro que não. Os problemas da economia nacional só poderão ser resolvidos com aumentos da produtividade, com exportações mais competitivas e com o ressurgimento do investimento privado. Ainda assim, se a crise continuar, a triste verdade é que uma saída do euro poderá tornar-se demasiado tentadora aos olhos de um eleitorado farto de fazer sacrifícios que não parecem dar resultado. E se o país continuar sem saída, é natural que procuremos saídas onde seria desejável não o fazer.
Post publicado por Álvaro Santos Pereira no blog do mesmo.
http://desmitos.blogspot.com/2010/04/os-custos-e-beneficios-da-saida.html
tags:
publicado por Ricardo Vieira às 23:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds