.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Quem nos visitou hoje?


contador gratis
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010

Frente Comum confirma greve geral da função pública a 4 de Março

A Frente Comum, principal frente sindical dos funcionários da Administração Pública, acaba de convocar mais uma greve geral com o objectivo de reivindicar o congelamento dos salários destes. Muito bem, agora pergunto será justo querer parar o país num momento como este? Será que temos o direito de privar as populações dos serviços nem que seja por um dia?

De facto concordo com a Frente comum o congelamento de salários deveria de ser para todas as pessoas e não só para os funcionários públicos, pois são estes que têm perdido o maior puder de comprar nos últimos anos. No entanto, contesto a greve, à mais formas de nos manifestar, as greves só servem para criar distúrbios, para além de não se falar das muitas pessoas afectadas pela paralisação dos sistemas públicos, ninguém tem o direito de privar as populações a consultas que estavam à espera há mais de 2 anos, como aconteceu na última greve dos enfermeiros. A lógica da manifestação através da paralisação não mostra nada de positivo, para além de também ficarmos sem o dinheiro do dia de trabalho só causa a confusão.
Quando as eleições aconteceram em Outubro aí seria o verdadeiro manifesto ao votar contra as políticas erradas de Sócrates, que nos estão a levar para o fosso cada vez mais próximo e cada vez mais rápido.
Agora nada feito, não é paralisando os sistemas que mudamos algo mas sim agindo com a cabeça nas urnas.  
Por isso contesto esta greve, porque sou estudante e custa-me ter de ir para as aulas e não as ter porque um professor se dignou a manifestar, tem o seu direito não conste to mas não tem o direito de prejudicar aqueles que estão dependentes dele.  É uma injustiça. E talvez será por isso que o respeito pelos outros nas sociedades ocidentais tem desaparecido.
 
Ricardo Vieira
 
publicado por Ricardo Vieira às 23:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds