.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Quem nos visitou hoje?


contador gratis
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

O Endividamento das Famílias e das Empresas Portuguesas

As famílias e as empresas Portuguesas têm vindo a sentir dificuldades crescentes em pagar as suas dívidas. Contudo, a evolução dos empréstimos dos bancos às empresas registaram em Agosto a terceira quebra mensal consecutiva, recuando para os 117,4 mil milhões de euros. Nos empréstimos às famílias o crédito concedido em Agosto prosseguiu uma tendência de aumento, totalizando 135 mil milhões de euros.
Concomitantemente, o Banco de Portugal regista uma subida do crédito malparado ininterruptamente desde Janeiro de 2009. Segundo o balanço do Banco de Portugal, os empréstimos que as famílias Portuguesas não conseguem pagar atingiu um valor recorde em Agosto de 3,75 mil milhões de euros, o que revela um aumento de 25% em relação aos montantes observados em Janeiro. Nas empresas, a situação não é melhor, com o total de crédito malparado a ascender em Agosto deste ano aos 4,65 mil milhões de euros, um aumento de 69,2% face ao valor registado em Janeiro de 2009.
Consequência do aumento do desemprego, baixos salários ou uma “vontade incontrolável de gastar”, a verdade é que as dívidas continuam a aumentar, facto a que não são alheias a má gestão financeira das famílias, mas também a oferta insistente, facilitada e, por vezes, irresponsável das instituições de crédito. Vivemos numa era de febre consumista, em que a taxa de poupança Portuguesa se cifra pouco acima dos 8% (cerca de metade da média da União Europeia segundo os dados do Eurostat). Apesar dos baixos salários médios e da crise de competitividade da economia Portuguesa, as famílias abusam do crédito ao consumo, fácil e de simples acesso, acumulando prestações numa ilusória riqueza. As menos inocentes instituições de crédito exploram esta febre, “vendendo” dinheiro sem restrições. Com a crise a esquecer-se a cada dia que passa, com a clara regulação deficiente do sistema bancário e mais grave, com a ausência de correcção das falhas detectadas com a crise (o crédito ao consumo continua a aumentar), o que acontecerá quando a Europa começar a sair da crise e, o Banco Central Europeu começar a rever em alta os valores das taxas de juro de referência, com impacto directo na Euribor?!
De forma preocupante, as famílias Portuguesas parecem continuar na sua fuga para a frente, sustentando um nível de consumo baseado na antecipação de rendimentos futuros num montante sustentável apenas num cenário idílico, mas irresponsável, de taxas de juro baixas. A crise expôs as debilidades do sistema financeiro internacional, com custos económicos muito elevados, responsabilidade das más práticas do sistema financeiro, das falhas de regulação das entidades competentes e da irresponsabilidade das famílias que sustentaram perfis de consumo irrealista e apenas suportáveis num cenário de taxas de juro baixas.
Em Portugal, as famílias devem educar-se para uma mais sustentável gestão financeira, aumentando a poupança e refreando a pressão consumista. As instituições de crédito devem assumir a sua responsabilidade social e económica e promover o aconselhamento das famílias quanto ao sobreendividamento. Face aos dados de contínua expansão do crédito às famílias e diminuição do investimento das empresas, corremos um risco elevado de estar a minar a recuperação económica e de continuarmos a crescer a um ritmo demasiado lento e de divergência face à União europeia.

publicado por Ricardo Vieira às 23:40
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds