.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Quem nos visitou hoje?


contador gratis
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

PORTUGAL NA MIRA DE BRUXELAS!

INE aponta para um buraco de 5,9% das contas públicas e Comissão Europeia abre procedimento de “défice excessivo”.

O Instituto Nacional de Estatística enviou no passado dia 28 de Setembro para o Eurostat a segunda notificação de 2009 relativa ao Procedimento dos Défices Excessivos que, em Novembro, será aberto. Ora, esta situação era mais que esperada, tendo em conta a última previsão que apontava para um défice das contas públicas de 5,9% e a dívida pública de 74,5%.
Praticamente todas as economias europeias foram afectadas pela actual crise económica e, naturalmente, as derrapagens orçamentais foram inevitáveis. No presente ano, catorze dos vinte e sete países da União Europeia irão ultrapassar o limite de 3% imposto no Tratado de Maastricht para o défice orçamental.
Numa primeira fase, não haverá penalizações. Bruxelas irá colocar Portugal e os demais países sob “vigilância orçamental” e, a breve prazo, avançar com algumas medidas com vista ao cumprimento das regras estabelecidas no Pacto de Estabilidade e Crescimento. Desta feita, o Governo terá de negociar o regresso faseado ao equilíbrio nas contas públicas.
Numa breve análise à notificação relativa ao Procedimento dos Défices Excessivos, facilmente se verifica que, em 2005, aquando da entrada no Governo do Partido Socialista, a situação económica portuguesa era desastrosa. A partir daí, o Governo do engenheiro José Sócrates definiu como prioridade número um o combate ao défice. Esta meta foi inúmeras vezes considerada uma obsessão mas o que é facto é que os resultados foram notados.
No final de 2008, com o rebentar da crise, a prioridade “défice” foi esquecida e iniciou-se um conjunto de medidas para estimular a economia, nomeadamente a segurança no sistema financeiro e o apoio a empresas e famílias.
No caso português, o resultado foi um regresso à situação de incumprimento, ou seja, o défice apontado para o final de 2009 ronda os 5,9% e, na pior das hipóteses, 6,5% (valor revelado pelo Boletim de Primavera da Comissão Europeia).
Nos finais de Setembro do corrente ano, quer o INE quer o Eurostat revelaram que os indicadores de confiança e do clima económico têm mantido uma trajectória de crescimento. No caso dos dados do Eurostat, é possível observar que nos 16 países da zona euro o índice de confiança continuou a subir, em Setembro, pelo sexto mês consecutivo, embora continuasse bastante abaixo da média dos últimos 20 anos.
Face a estes pequenos sinais de melhoria das condições económicas (-0,8% em 2009 e 0,3% em 2010) e desta recente tomada de posição da Comissão Europeia, muitos falam em “retirada de incentivos” às economias… Mas, será isto razoável?
O que é facto é que o Banco Central Europeu já recomendou aos governos a necessidade de assegurar um regresso às políticas de consolidação orçamental e de controlo do défice sem, no entanto, recorrer a aumentos de impostos e/ou de contribuições sociais. Ao encontro desta posição do BCE, a Organização para a Coordenação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), vieram defender o planeamento de uma estratégia a nível global de retirada dos incentivos à economia.
Face à actual conjuntura económica, a questão que se coloca é: “qual o momento certo para retirar os apoios dados às economias?” Por um lado, retirá-los demasiado cedo irá, com certeza, comprometer a recuperação económica, uma vez que os indicadores de melhoria se encontram demasiado ténues. Por outro lado, há quem ponha a hipótese de que fazê-lo demasiado tarde poderá implicar um crescimento da inflação. Mais uma vez, perante os actuais números previstos para a inflação (-0,5% em 2009 e 1,3% em 2010), não serão estas preocupações infundadas?
Muito recentemente, o governador do Banco de Portugal veio alertar sobre os riscos para o crescimento da economia, caso haja uma retirada prematura de qualquer “estímulo orçamental”, pondo em perigo a possível retoma económica. Agora, ao governo minoritário do engenheiro Sócrates caberá a dupla tarefa de consolidação e, ao mesmo tempo, de definição do momento certo para iniciar a retirada dos incentivos à economia sendo que, no caso português e, analisando os valores previstos para o PIB e inflação, pensar em fazê-lo antes do 2011 parece demasiado prematuro. Assim sendo, parece-nos que a saída da crise nacional e internacional será lenta e prolongada.
 

publicado por Ricardo Vieira às 22:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds