.posts recentes

. Desabafo

. Um novo Código de Trabalh...

. O Som das Noites em breve...

. BAILOUT OU NÃO, EIS A QUE...

. Governo Português dá "exe...

. SAIR DO EURO

. PORTUGAL NA MODA

. O poder

. Portugal e os oceanos

. Dívida portuguesa aumenta...

.arquivos

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Quem nos visitou hoje?


contador gratis
Vejo-te a ti No meu coração És aquela que Toca a música Chamada Amor És aquela Que me faz vibrar, Que me faz estremecer, Viver e aprender. És a minha musa inspiradora És a fonte da minha vida, do meu ser, Obrigado por seres quem és. Ricardo Vieira
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

O Papel das Universidades no Desenvolvimento do Tecido Empresarial

Para além de formar quadros para o tecido empresarial, as Universidades, por disporem de professores e investigadores num esforço contínuo de criação de conhecimento, estão especialmente habilitadas para o desenvolvimento de soluções e para a realização de descobertas úteis ao tecido empresarial. O potencial de utilidade da investigação universitária é evidente perante os valores que a exploração comercial dos resultados da investigação universitária tem gerado: A Universidade de Michigan realizou 160 milhões de dólares a partir de duas patentes relacionadas com o tratamento de problemas oncológicos, a Universidade da Flórida conseguiu gerar 37 milhões de dólares com a patente relacionada com a bebida energética Gatorade e a Universidade de Iwoa vendeu os direitos de utilização do algoritmo FA por 27 milhões de dólares. Casos como estes têm incentivado as universidades ao desenvolvimento do processo de transferência de conhecimento e tecnologia para o tecido empresarial. Com efeito, não só as empresas, pressionadas pela crescente concorrência nos seus mercados, têm necessidade de inovar nos seus produtos e processos, mas também as universidades necessitam de novas fontes de receita capazes de fazer face à escassez de recursos públicos provenientes do orçamento do estado.

 

As Soluções baseadas no Conhecimento Científico

 

A aplicação do conhecimento científico no melhoramento do desempenho empresarial pode ser fomentada quer por medidas de carácter geral que podem ser tomadas a nível governamental, quer por medidas específicas, que podem ser tomadas pelos agentes envolvidos no processo de transferência de conhecimento e tecnologia, tais como Investigadores, Unidades de Transferência de Tecnologia, Incubadoras, Gestores de Empresas, e Gestores de Universidades.

 

Centrando o presente texto nas medidas específicas, devemos considerar os factores com influência na eficiência e eficácia do processo de transferência de conhecimento e de tecnologia que, segundo um estudo publicado na revista Research Policy, serão:

 

(1) Universidades com uma forte orientação para a investigação aplicada e com menores exigências de tempo de ensino apresentam uma maior propensão para registar patentes e criar spin-offs;

 

(2) As áreas científicas mais envolvidas na transferência de conhecimento e tecnologia são as áreas da economia, gestão de empresas, ciências naturais, engenharia e medicina;

 

(3) A existência de uma Unidade de Transferência de Tecnologia é particularmente relevante para o estabelecimento de contactos informais entre os Investigadores e as Empresas, verificando-se também que a existência destas entidades está positivamente associada a um desempenho superior das universidades no que concerne ao número de patentes, de licenciamentos, e de spin-offs.

 

O contributo das Unidades de Transferência de Tecnologia para o melhor desempenho a nível de patentes, licenciamentos e spin-offs consegue-se pela monitorização da oferta tecnológica das universidades e pela apresentação da mesma ao meio empresarial, promovendo assim a investigação aplicada e o empreendedorismo. Por outro lado, as Unidades de Transferência de Tecnologia devem identificar as necessidades e solicitações tecnológicas da indústria, promovendo a sua divulgação na comunidade académica e impulsionando o desenvolvimento de novas soluções tecnológicas que satisfaçam as necessidades das empresas, estimulando assim a inovação empresarial.

publicado por Ricardo Vieira às 22:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds